Cobogó: conheça melhor esse elemento, da história à instalação

Um bom observador já deve ter notado a volta dos elementos vazados na construção e decoração de ambientes comerciais e residenciais. O chamado cobogó, tão popular décadas e décadas atrás, retornou com tudo – e em todo tipo de espaço, mesmo os mais modernos, trazendo sua textura e seu colorido para a arquitetura.

O cobogó teve seu nome inspirado pelas iniciais dos sobrenomes de seus criadores – os engenheiros pernambucanos Amadeu Oliveira Coimbra, Ernest August Boeckmann e Antônio de Góis. No Nordeste, o elemento era feito, primeiro, de improviso; e a partir de sua patente, em 1929, passou a ser industrializado e fabricado com cimento (e depois com cerâmica, argila e vidro)

A popularização atual do cobogó trouxe sua graça de volta, mas também sua funcionalidade. A trama vazada serve tanto para dividir espaços quanto para permitir a passagem de luz e de ventilação. Está, hoje, na fachada de edifícios, em áreas externas e internas de lojas e dentro de casas e apartamentos.

Mas, como toda “modinha”, o cobogó também pode acabar entrando em cheque. Acontece que a palavra de ordem quando se decide pelo produto, mesmo com tantos modelos chamando a atenção, é uma só: instalação.

O cobogó precisa ser escolhido adequadamente para casar com o espaço e, principalmente, de uma supervisão muito atenta na hora da colocação.

Por exemplo: se existir alguma preocupação com a acústica, o cobogó não vai ajudar. É preciso ter a certeza de que ele é mesmo uma boa opção para determinado ambiente.

Quanto à instalação, é importante encontrar um profissional com referências, que entenda, entre outras coisas, de estrutura: um arquiteto pode fazer o projeto e supervisionar o trabalho considerando a colocação de barras de metal fixadas a cada duas fileiras, já que o cobogó nem sempre pode ser usado sem base de apoio.

Sem a mesma resistência estrutural de uma parede de alvenaria, as peças precisam ser bem escolhidas, transportadas com cuidado para evitar trincas, ter boa cura para sustentar melhor o projeto. Aí, sim, a tradição do cobogó trará toda sua beleza para a decoração.